Como tratar as vulnerabilidades de TI

Atualmente a utilização de computadores, smartphones e outros dispositivos são essenciais para o funcionamento de uma empresa, mas com o volume de tecnologia cada vez mais significativo, os riscos e vulnerabilidades também aumentam, isto pode trazer grandes dores de cabeça para a empresa. Por isso, é importante que os responsáveis pela área de TI saibam como tratar estas vulnerabilidades, afim de proteger a organização.

Mas o que é vulnerabilidade quando falamos em Tecnologia da Informação? No geral, a vulnerabilidade é a fraqueza de um ativo que poderia ser potencialmente explorada por uma ou mais ameaças, ou seja, ela surge quando ameaças encontram fraquezas no sistema ou dispositivo que podem ser exploradas e ocasionar riscos para a organização. Isso, pode ocorrer através de uma falha que acontece durante a concepção, implementação, configuração ou operação de um ativo ou controle, e elas podem ser criadas por descuido ou intencionalmente.

Para que essas vulnerabilidades não comprometam o funcionamento da empresa, é importante que sejam tratadas, afim de eliminar ou então diminuir os riscos. Por isso, separamos algumas dicas para ajudar a fazer a gestão destas vulnerabilidades.

 

1.  Identificar

Muitas vezes uma vulnerabilidade só é detectada quando já ocorreu algum problema em algum sistema ou dispositivo da empresa, até porque esta é a premissa para identificação de uma ameaça. Mas para que haja uma boa gestão destas vulnerabilidades, é necessário que elas sejam identificadas o mais cedo possível, tendo assim tempo o suficiente para corrigi-las. E para isso, é necessário conhecer quais os principais tipos de vulnerabilidades de TI.

Existem diversos tipos de riscos e vulnerabilidades em sistemas ou dispositivos quando falamos em TI, mas as que são encontradas normalmente são:

 

– Hardware obsoleto

A produtividade da equipe de TI pode ser afetada com a utilização de hardwares já obsoletos, afinal essas máquinas em geral tendem a ser mais lentas, como também abre brecha para problemas que hardwares atuais não tem.

 

– Software desatualizado

Este é um dos problemas que mais ocorrem relacionados a riscos e ameaças na área de TI, até porque é comum encontrar empresas que trabalham com softwares desatualizados, isto deixa uma porta aberta aos mais diversos riscos e vulnerabilidades, que resultam no roubo e vazamento de dados das organizações.

 

– Problemas em credenciais de segurança

A autenticação e a criptografia para acessar dados sensíveis da sua empresa é indispensável. Muitas pessoas tem o conhecimento de que é importante utilizar senhas fortes, porém poucas realmente as utilizam. Ferramentas como o Hotspot por exemplo, podem garantir o acesso de visitantes a Wi-Fi da empresa com total segurança, eliminando alguns riscos relacionados a este problema.

 

– Firewall e Antivírus

Cada vez mais acontecem ataques cibernéticos em organizações e eles são um dos principais motivos para o investimento em segurança da informação, já que hackers podem, além de acessar informações confidenciais, instalar vírus e Malwares, afetar arquivos importantes e até mesmo tirar do ar o site da sua empresa.

Por isso, uma empresa que quer diminuir riscos precisa investir em softwares de Firewall e antivírus seguros e eficientes, além é claro, de mantê-los constantemente atualizados, pois desta forma estes sistemas sempre estarão em dia com as práticas mais novas do mercado, garantindo efetivamente a segurança.

 

2. Corrigir

Após identificar quais os riscos que estão afetando sua empresa, é necessário corrigi-los. E para fazer uma gestão eficiente disto, o mais prudente é pensar na divisão dos riscos identificados anteriormente por níveis associados a vulnerabilidade.

Por exemplo, as ameaças mais críticas e que podem afetar os dados da empresa devem ser corrigidas primeiro, seja investindo em softwares de firewall e antivírus, ou atualizando sistemas e hardwares que já estão obsoletos, e as menos criticas geralmente podem ser verificadas com mais tempo, como por exemplo, treinamentos e conscientização de funcionários para lidar com vulnerabilidades que são geradas por uma má utilização dos dispositivos.

 

3. Monitorar

A última dica, mas não menos importante é monitorar, pois mesmo você identificando e corrigindo sempre haverão brechas e novas formas de ataques em sistemas e dispositivos de sua empresa. As vulnerabilidades precisam sempre ser analisadas em longo prazo. Ao contrário de ameaças pontuais, elas precisam ser tratadas de modo contínuo, por softwares e políticas que possam mitigá-las.

Por isso a importância da utilização de softwares de monitoramento de TI, que monitoram em tempo integral hardware e software, detectando os problemas em sua fase inicial. Além disso, alertas são enviados auxiliando assim em uma rápida resposta aos riscos e vulnerabilidades.

Achou interessante o conteúdo de hoje? Então não se esqueça de assinar a newsletter para receber mais dicas e curtir a nossa página no Facebook!

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *